Quarta-feira, 28 de Março de 2007
ALGARVE é o nome da região de Portugal continental onde tive a felicidade de nascer e de me criar. Situa-se no extremo sul do país e é conhecida pelo excelente microclima, pelo barrocal, pela arquitectura típica e doçaria regional à base de amêndoa, figo e alfarroba. Também é conhecida por uma gastronomia basta em marisco e bom peixe. É a terra natal de excelentes e grandes autores da literatura portuguesa: António Aleixo, Lídia Jorge, António Ramos Rosa, para citar os mais significativos e mais recentes.
O turismo e o “marketing” vieram dar cabo de muitas paisagens e criaram Quarteira, a Armação de Pêra, Albufeira, Vilamoura e a Quinta do Lago. E os restaurantes passaram a exibir ementas unicamente em inglês, e à beira da estrada nacional 125 vendem-se barcos e piscinas para os turistas ingleses que vão descaracterizando a serra em redor de Loulé, sofredora desde logo pela gigantesca Cimpor ali plantada.
Como se não bastasse terem dado cabo de tudo, cria-se agora uma marca que inglesa ainda mais a região. Algarve, outrora árabe, significando “o ocidente” passa a ALLgarve*, que, além de cacofónico, é um vocábulo que não tem significado algum. A gramática chama-lhe heteróclito, eu chamo-lhe “estúpido”, tal como chamo aos profissionais da publicidade e do “marketing”, por serem (demasiado) permeáveis a estrangeirismos, e porque parecem não ter consciência linguística nem identidade cultural.


* Vai-se a ver e o “todo, tudo” resume-se a dança, música e praia.

Ligações:
Marca «Allgarve» já existe na Internet; Assim Mesmo.


publicado por Ricardo Nobre às 14:40 | referência | comentar | ler comentários (1)

LISTA U: 818 VOTOS; LISTA x: 81.
Trata-se de resultados obtidos para a direcção da Associação de Estudantes da Faculdade de Letras. Lembro que a lista U é partidária do PCP e a X do PNR. Os alunos de Letras votaram pela democracia.
O que disse antes sobre o assunto.


publicado por Ricardo Nobre às 10:58 | referência | comentar

Terça-feira, 27 de Março de 2007
Por estes dias, tem sido tema recorrente no Livro de Estilo a actuação do PNR e seu confronto com outras forças políticas nas instalações ou imediações da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL). A pintura de um mural alusivo ao 25 de Abril, comemorativo da liberdade, que deveria ter tido lugar no último dia 15 trouxe à escola um grupo de 50 skinheads, que pretendiam intimidar os alunos desta casa. Fotografaram-nos, até, quem sabe para lhes dar uma valente carga de porrada ou matarem-nos e atirarem-nos para uma valeta... O Conselho Directivo achou por bem, nesse dia, chamar a PSP, que manteve as instalações da FLUL sob vigilância. No dia seguinte, vinha a notícia no PÚBLICO.

Entretanto, acontecem as eleições para a Associação dos Estudantes (deixem-me dizer “dos” e não “de”). Apresentam-se à votação a lista U e a lista X. A lista X é precisamente constituída por membros da extrema-direita. Surge o manifesto (aqui reproduzido na íntegra) sobre uma escola livre de racismo e xenofobia. A campanha prolonga-se e as paredes da faculdade enchem-se de U e de X. Os U estão identificados, mostram a cara. Os X ninguém sabe quem são... ou sabe?

As votações para a Associação dos Estudantes começaram ontem e acabam hoje. Mais de cinco anos e meio enquanto aluno da FLUL e nunca participei em nenhum desses actos. Ontem foi a primeira vez, a fim de travar a entrada de extremistas de direita para a direcção da Associação. Prefiro os “mocadinhos” de esquerda.

Foi manchete do PÚBLICO de ontem essa tentativa de “assalto” ao poder. No desenvolvimento da notícia, ficamos a saber que da lista X faz parte uma pessoa com cadastro por ter estado implicado na morte de uma pessoa preta. Mais e o principal motivo para travar este movimento de “assalto” ao poder, ainda por cima numa faculdade onde a Associação dos Estudantes tem tanta preponderância.

No mesmo jornal, lemos as motivações dos extremistas de direita. Pretendem criar plataformas de comunicação com os mais jovens, mostrando valores e moral. Que valores e moral são esses, desconheço. Valores além da tolerância e da democracia não são valores. Valores morais, baseados em recriminação e perseguição só porque alguém é preto ou marciano, parecem-me, simplesmente, estúpidos. Não são valores nem morais.

Tudo isto misturado com a celebração dos 50 anos dos Tratados de Roma e a eleição de Salazar como o melhor português de todos os tempos. Mistura curiosa. A modernidade, a democracia, o progresso e a ignorância, a intolerância, a anti-democracia e os falsos valores que os seus defensores nem sabem de onde vêm.


publicado por Ricardo Nobre às 11:25 | referência | comentar

Domingo, 25 de Março de 2007
A gestão danosa e dolosa da Universidade Independente resultou em acusações, demissões e falatório que parecem semelhantes aos do escândalo da Moderna. No entanto, este caso Independente trouxe revelações surpreendentes: o Eng.º Sócrates é tão engenheiro quanto eu, com a diferença que eu sou, efectivamente, licenciado, mas na área das Letras.
Os jornalistas, a classe profissional mais histérica do mundo, deram alarido ao facto de, no seu percurso académico, José Sócrates não ter todas as equivalências, decorrentes de trocas diversas que fez ao longo do curso. Não sei até que ponto a formação académica é motivo de seriedade (cf. os “catedráticos” da própria Independente, cuja agregação parece ter sido feita em roubo descarado), ou mesmo de capacidades governativas (lembremo-nos de Lula da Silva, que governa um dos maiores países do mundo há dois mandatos). Claro que em Portugal as coisas são diferentes, sem que os jornalistas se apercebam. Não que não seja importante saber o percurso académico dos nossos políticos. Gosto particularmente de um Jorge Sampaio imiscuído na crise académica de 62 e de um Durão Barroso que, depois do 25 de Abril, levou a mobília da Faculdade de Direito de Lisboa para decorar a sede do MRPP. Só não sei se foi antes ou depois de ter ido à Faculdade de Letras chamar fascistas aos estudantes e sair de lá depois de uma coça.
Não deixaria ainda de ser construtivo saber as habilitações de pessoas que se incluem no jet-set nacional, por exemplo.
Portugal é um país que não liga a habilitações académicas. Os professores são licenciados e são eles que levam socos de pais analfabetos. Os jogadores de futebol são analfabetos e são vistos como deuses, por quem se chora e grita, a quem se quer tocar...
Esta querela traz-me à memória uma polémica americana de há uns tempos, em que se discutia a prestação militar de George Bush, como se para governar um Presidente precisasse de ter andado de rojo no Vietname. José Sócrates pode não ser licenciado, mas vai-nos governando, melhor do que muitos Professores UNIversitários.


publicado por Ricardo Nobre às 21:10 | referência | comentar | ler comentários (3)

Sobre um episódio de Tácito

A décima primeira legião revoltara-se; os
incêndios marcavam a passagem dos bárbaros. Então,
o imperador reuniu à sua volta um conselho de
senadores e sábios. Durante o encontro, um bando
de pássaros velou o sol: um touro degolado derrubou
o altar do sacrifício; e um cavaleiro que matara
o próprio irmão apresentou-se a reclamar recompensa. In-
capaz de decidir, traduzindo no rosto cada nova perturbação
e disfarçando esses sinais com o abuso do vinho,
desprezou os avisos. No regresso a Roma, entreteve
a retirada com inúteis carnificinas e crueldades
abomináveis. Abandonado por todos, submeteram-no
a humilhações e suplícios; e a única palavra que
lhe arrancam dirige-se ao tribuno que o
insultava:«Fui contudo o teu chefe.» Depois
sucumbiu aos golpes; e a populaça
entregou-lhe o corpo aos cães da cidade.

Nuno Júdice, Poesia Reunida (pág. 461).



publicado por Ricardo Nobre às 16:55 | referência | comentar

O Livro de Estilo convida todos os seus leitores a visitarem o sítio recém-elaborado da revista CLASSICA — Boletim de Pedagogia e Cultura, e no qual tenho depositado os poucos momentos disponíveis para viagens em linha. Dessa dedicação, bem como de outros compromissos, ressentiu-se este blogue, que, como disse no texto anterior, está em fase de reformulação em matéria de organização.



publicado por Ricardo Nobre às 13:50 | referência | comentar

Sábado, 24 de Março de 2007
A falta de disponibilidade do autor fez com que no Livro de Estilo não tivessem sido abordados temas actuais de extrema importância cultural, como o regresso do Latim à Igreja Católica, ou a preocupação dos professores de Filosofia por esta matéria estar a perder relevância nos curricula do Ensino Secundário. Sem querer alimentar polémica, teria sido pertinente referir-me à “licenciatura” de José Sócrates. Nada disso tem sido possível, mas espero colmatar alguns desses lapsos em breve.
Ao mesmo tempo, estou a preparar uma coluna de ligações à direita remodelada e outras coisas novas.
No entanto, a falta de tempo faz com que apenas sejam assegurados os “serviços mínimos”. Reclamações para livrodeestilo[@]gmail.com.


publicado por Ricardo Nobre às 10:01 | referência | comentar

Quinta-feira, 22 de Março de 2007
Não pude reproduzi-lo no dia em que foi divulgado, mas cito na íntegra o MANIFESTO por uma escola livre e sem racismo (A todos os Estudantes, Funcionários e Professores), num momento em que começaram a desaparecer os cartazes antes afixados. Arranquem esta mensagem daqui, se puderem...

A Faculdade de Letras tem um passado de luta pela liberdade, contra a opressão, a discriminação e a ignorância que não pode ser esquecido. Desde a luta contra o fascismo em tempos de ditadura ao activo movimento estudantil por uma escola aberta a todos, a faculdade marcou a sua presença. Ao longo da História, estudantes, professores e funcionários manifestaram-se contra as guerras, as desigualdades, o racismo, a xenofobia, o fechamento e a intolerância, existentes dentro e fora da escola.
A nossa faculdade sempre soube olhar para fora, sempre soube que através do conhecimento se combatem preconceitos mais obscuros e absurdos da nossa sociedade. A Faculdade de Letras é isso mesmo, a experiência do ensino, do conhecimento e da partilha da diversidade cultural, expressão da humanidade. É o espaço onde tem lugar o estudos das várias Línguas, das diversas Culturas, das Artes e das relações que mantêm entre si, da discussão, da crítica e do pensar, da análise da História, das pessoas e dos lugares. Aqui conquista-se o espaço para a diversidade e para um mundo mais justo, livre e consciente.
Não podemos, portanto, assistir passivamente às discriminações racistas e a tentativas de intimidação de que têm sido alvo estudantes dentro da faculdade ou a folclóricas mas preocupantes manifestações neonazis como a que assistimos na passada quinta-feira, dia 15 de Março, dentro do nosso espaço escolar. Não podemos compactuar com ideias fascistas e discriminatórias, fechando os olhos às ameaças de violência e ao mal-estar vivido pelos nossos colegas no dia-a-dia da faculdade. Só a ignorância, o conformismo, a passividade e o vazio cultural deixam espaço à intolerância e favorecem a cultura do medo e os novos obscurantismos.
A liberdade de expressão é inconciliável com a discriminação e a apologia da desigualdade. É por isso que este espaço, que é nosso e é de todos, foi, tem de ser e será um espaço de liberdade e respeito, desde os bares aos corredores, passando pelas salas de aula, centros de investigação e bibliotecas, bem como todos os lugares em que decorre a vida associativa, departamental e institucional desta faculdade.
Todos nós, que estudamos e trabalhamos aqui e aqui vivemos e convivemos, mulheres e homens de diferentes idades, nacionalidades e cores, podemos e devemos tornar a Faculdade de Letras um lugar sem racismo e sem discriminação, um espaço realmente aberto a todos, onde todos possam estudar e trabalhar em liberdade.


publicado por Ricardo Nobre às 22:37 | referência | comentar

Quarta-feira, 21 de Março de 2007
E porque a minha faculdade tenta por estes dias (e sempre) defender os princípios ideológicos que norteiam uma democracia...

Porque
Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão
Porque os outros têm medo mas tu não.

Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.

 
Sophia de Mello Breyner Andresen


publicado por Ricardo Nobre às 09:42 | referência | comentar

Segunda-feira, 19 de Março de 2007
Está para sair, nestes dias, a obra A Civilização Grega do helenista francês André Bonnard (tradução de José Saramago). Trata-se da reedição de uma obra magistral de 864 páginas que prova o papel insubstituível das Edições 70 na divulgação das culturas e civilizações clássicas. De facto, existe já uma Civilização Grega, noutra escala e possivelmente para outro público.
Obrigado, Manel.


publicado por Ricardo Nobre às 09:58 | referência | comentar | ler comentários (2)

Sexta-feira, 16 de Março de 2007
Este texto é escrito sem muito tempo, por isso vou tentar ser sucinto, tentando explicar-me bem.
De há umas semanas para cá, a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, casa tradicionalmente de esquerda liberal, tem sido atingida pela campanha partidária de um certo PNR, "partido nacional renovador", ou seja, neofascistas. Estes senhores são pessoas que não aceitam que existam pretos, chineses, ucranianos e outras nacionalidades além da portuguesa a trabalhar no nosso país. O seu símbolo é uma chama que se assemelha ao desenho de uns fogões que se levam para o campismo, mas a metáfora presente é a da, presumo, chama da nação (!?). Resumindo, o PNR é um partido de extrema direita, de pessoas intolerantes, com grandes défices de cultura democrática (mas não só, como é óbvio), racistas, xenófobas etc., que caracterizam todos os extremos e todos os fascistas.
As escadas da entrada lateral da referida instituição universitária têm sido pintadas por pessoas destas. Claro que, enquanto baluarte de esquerda, esta respondeu, na mesma moeda, pintando palavras de ordem que entram em diálogo com as anteriores. Claro que já houve réplicas, porque o último a ser vândalo ganha.
Noutro texto deste blogue, falei na nojice de um mural da JCP, pintado no PN da FLUL. Ontem à noite, reparei que esse amarelão havia sido repintado de preto, com "a chama vive" do tal PNR. A algo que condenei, juntou-se algo que me causa mais repulsa, pois, como é evidente, não me agrada ver património degradado a degradar-se ainda mais.
Percebem agora os apoiantes deste tipo de campanha partidária e ideológica os motivos por que não acho que as paredes sejam os sítios indicados para pintar palavras de ordem, para fazer propaganda?
Não me quero alongar, apenas deixar claro que, apesar de tudo, preferia o amarelo da JCP à negridão do PNR.


publicado por Ricardo Nobre às 09:46 | referência | comentar | ler comentários (3)

Quinta-feira, 15 de Março de 2007
Este artigo foi retirado. A lista está agora disponível e em constante actualização neste endereço.


publicado por Ricardo Nobre às 09:31 | referência | comentar

RÁDIO
TSF — Rádio Notícias (emissão directo)
BBC Radio 4 (emissão directo)
BBC World Service (emissão directo)
BBC Radio 3 (emissão directo)
BBC Radio 5 Live (emissão directo)
LIGAÇÕES DE REFERÊNCIA
Informação Geral
BBC News
The Guardian
Público
Times
Diário de Notícias


Cultura
The TLS
BBC | Entertainment & Arts
The Guardian | Culture
Telegraph | Culture
New York Times | Arts
DN | Artes
Ípsilon
El Mundo | Cultura
El País | Cultura
Público | Culturas
Le Monde| Culture

LITERATURA
Bibliotecas
Biblioteca Nacional de Portugal (Porbase)
The British Library
Library of Congress
Bibliothèque nationale de France (Opale)
Biblioteca Nacional de España
National Library of Scotland
Biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (SIBUL)
Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra
University of Cambridge Library (Newton)
Oxford University Libraries (SOLO)
Harvard Libraries (HOLLIS)


Editoras
Cambridge University Press: Catálogo de Literatura; Catálogo de Estudos Clássicos
Oxford University Press: Catálogo de Literatura; Catálogo de Estudos Clássicos; More than Words (Oxford World’s Classics)
Routledge: Catálogo de Literatura; Catálogo de Estudos Clássicos
Penguin Books


Revista CLASSICA — Boletim de Pedagogia e Cultura

LÍNGUA PORTUGUESA
Vírgulas
Sujeito e Predicado

Vocativo

Oração Causal

Oração Concessiva

Oração Condicional

Oração Conformativa

Oração Final

Oração Proporcional

Oração Temporal


Uso do apóstrofo


Vocabulário estudado
à
Alcaida
contracto
contrato
de
de mais
demais
grama
majestoso
para
presidenta
sedear
sediar
se não
senão
seriação


Livro de Estilo

Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1945)
Código de Redacção Interinstitucional
Dicionário da Língua Portuguesa (Priberam)
Dicionário da Língua Portuguesa (Porto Editora)
LX Conjugator (conjugação verbal)
MorDeb
Corpus do Português Europeu
Corpus do Português
Corpus Lexicográfico do Português
CETEMPúblico
Corpus Rede de Difusão Internacional do Português
Transliteração do Alfabeto Grego
Associação de Informação Terminológica
Acordo Ortográfico de 1990
Norma Portuguesa de Metrologia

APONTADORES
Bandeira ao Vento
Blogtailors: o blog da edição
Cadê o Revisor?
Detective Cantor
Lóbi do Chá
Memento…
Pesporrente
Português em Dia
Rascunho.net
Relógio D'Água Editores
A Senhora Sócrates
O Vermelho e o Negro
ARTIGOS RECENTES

PÚBLICO Menos

Novo PÚBLICO

Acordo na Faculdade de Le...

Acordo Ortográfico no CCB

Onde o latim acaba e o in...

Balanço de um colóquio

Diogo Infante deixa o D. ...

Memória curta

Também quero o subsídio e...

Governo de salvação nacio...

Quando os escritores não ...

Golpe de estado militar

TOMBO

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

SUBSCREVER FEEDS