Quarta-feira, 10 de Setembro de 2008

Para os portugueses mais informados já não é novidade a tentativa de simplificação da ortografia da língua. Para os ingleses mais ou menos informados tal debate é uma novidade. Reproduzo a notícia da BBC:

In many languages, you can read a new word and instantly know how to pronounce it, or hear a new word and instantly know how to spell it - not so in English.

Being a language with a voracious appetite for new words taken from other languages means that English has accumulated a very large vocabulary.

This allows English-speakers to express themselves using subtly differing words to convey subtly different meanings.

The downside, however, is that it is impossible to have simple, regular spelling rules.

So perhaps it is time to extend the rules that do exist a bit further through the language and free up spelling a little? That is the idea being put forward by Professor John Wells of University College, London, and President of the Spelling Society.

He was joined in disucssion by Ian Bruton-Simmonds, Author of "Mend Your English: Or What You Should Have Been Taught at Primary School."

World Update's Roger Hearing asked Professor Wells why we need to make any changes, given that most of us can vaguely cope with the current spelling rules.

Listen to their discussion (4 mins 52 secs)

(...)

Some of Professor John Wells' suggestions for simpler spelling:

  • Short vowel sounds

Drop the final e from words if the preceding vowel sound is short: Give becomes giv but love remains love

 

  • Double consonants

Allow double consonants when the preceding vowel sound is short: River becomes rivver; model becomes moddel

 

  • Danger, Anger, Hanger

Replace the soft g with a j: Danger becomes danjer Use a double g after the n if the sound is hard: Anger becomes angger

Use a single g if the sound is elided: Hanger remains hanger

 

  • Embrace Americanisms

Many people already use an s in "practice", as in the US. Also, the American version of organize with a z is accepted. Why not thru?

 

  • Abolish the apostrophe

Get rid of the two types of its (it's and its) as it is hardly likely to confuse your meaning. If removing the apostrophe is a problem, then leave a space: We'll becomes we ll

 

  • Their, there and they're

They all sound the same and the meaning is unlikely to be lost if we just use "there" in each case

 


Tópicos:

publicado por Ricardo Nobre às 07:58 | referência | comentar

RÁDIO
TSF — Rádio Notícias (emissão directo)
BBC Radio 4 (emissão directo)
BBC World Service (emissão directo)
BBC Radio 3 (emissão directo)
BBC Radio 5 Live (emissão directo)
LIGAÇÕES DE REFERÊNCIA
Informação Geral
BBC News
The Guardian
Público
Times
Diário de Notícias


Cultura
The TLS
BBC | Entertainment & Arts
The Guardian | Culture
Telegraph | Culture
New York Times | Arts
DN | Artes
Ípsilon
El Mundo | Cultura
El País | Cultura
Público | Culturas
Le Monde| Culture

LITERATURA
Bibliotecas
Biblioteca Nacional de Portugal (Porbase)
The British Library
Library of Congress
Bibliothèque nationale de France (Opale)
Biblioteca Nacional de España
National Library of Scotland
Biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (SIBUL)
Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra
University of Cambridge Library (Newton)
Oxford University Libraries (SOLO)
Harvard Libraries (HOLLIS)


Editoras
Cambridge University Press: Catálogo de Literatura; Catálogo de Estudos Clássicos
Oxford University Press: Catálogo de Literatura; Catálogo de Estudos Clássicos; More than Words (Oxford World’s Classics)
Routledge: Catálogo de Literatura; Catálogo de Estudos Clássicos
Penguin Books


Revista CLASSICA — Boletim de Pedagogia e Cultura

LÍNGUA PORTUGUESA
Vírgulas
Sujeito e Predicado

Vocativo

Oração Causal

Oração Concessiva

Oração Condicional

Oração Conformativa

Oração Final

Oração Proporcional

Oração Temporal


Uso do apóstrofo


Vocabulário estudado
à
Alcaida
contracto
contrato
de
de mais
demais
grama
majestoso
para
presidenta
sedear
sediar
se não
senão
seriação


Livro de Estilo

Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1945)
Código de Redacção Interinstitucional
Dicionário da Língua Portuguesa (Priberam)
Dicionário da Língua Portuguesa (Porto Editora)
LX Conjugator (conjugação verbal)
MorDeb
Corpus do Português Europeu
Corpus do Português
Corpus Lexicográfico do Português
CETEMPúblico
Corpus Rede de Difusão Internacional do Português
Transliteração do Alfabeto Grego
Associação de Informação Terminológica
Acordo Ortográfico de 1990
Norma Portuguesa de Metrologia

APONTADORES
Bandeira ao Vento
Blogtailors: o blog da edição
Cadê o Revisor?
Detective Cantor
Lóbi do Chá
Memento…
Pesporrente
Português em Dia
Rascunho.net
Relógio D'Água Editores
A Senhora Sócrates
O Vermelho e o Negro
ARTIGOS RECENTES

PÚBLICO Menos

Novo PÚBLICO

Acordo na Faculdade de Le...

Acordo Ortográfico no CCB

Onde o latim acaba e o in...

Balanço de um colóquio

Diogo Infante deixa o D. ...

Memória curta

Também quero o subsídio e...

Governo de salvação nacio...

Quando os escritores não ...

Golpe de estado militar

TOMBO

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

SUBSCREVER FEEDS